27/07/09

Ciclovias à europeia!

Começaram a ser mais visíveis as obras de última hora para as autárquicas. Umas são obras outras enfeites, continuando, por aqui no recanto de Lisboa onde mais circulo, decidiram criar a 2ª Ciclo via, magnífico, faz bem há saúde poupa combustível, e a percentagem de lisboetas que a usa...só justifica!!! Só não sei a quem!
Onde é que esta via foi implantada, na "Brandoa dos doutores
", mais conhecida pelo vulgo Telheiras, mesmo na avenida Fernando Namora, a principal de maior circulação deste polo residencial de alta densidade em Lisboa.

Eu já lá morei, e sei bem o que aquilo cresceu nos últimos tempos, todas as áreas previstas pelo plano de urbanização como espaços verdes estão mais cor de rosa, cor oficial das fachadas para o bairro. E todas as obras de acessibilidade que foram introduzidas têm por norma atravancar o trânsito, encerramento da Rontgen, sentido proibido para jardim da luz, semáforos junto ao estádio de alvalade...Culpa de quem? dos urbanistas!?
Tudo politiquice pura, a verdade é que sair daquele bairro é um inferno e agora com apenas duas faixas na rua...é mesmo de fugir...eu já fugi, sempre estarão safas as bicicletas!

12 comentários:

loirices disse...

deve ter sido por essas e outras, que agora nas rotundas temos que dar prioridade aos ciclistas!

me. disse...

loirices,
isso é a sequela desta novela, rima e é verdade!

Rosa disse...

Ainda vamos ver o Sócrates de bicicleta! :D

me. disse...

No mínimo para promover, e ele é um bom vendedor...
apesar de ser um "corre corre" :D

tugman disse...

Será dificil perceber porque é q aquilo está entupido ? Entupido de quê ? Carros ? Ah ... pois é.

Então vamos criar mais faixas para os pópós circularem melhor, diminuir passeios, etc ... ou então vamos mudar as coisas para diminuir a circulação destes, as pessoas andarem a pé à vontade e com espaço.
A 2ª opção dói a mta gente, mas doa a quem doer, vamos mas é fazer as coisas "à europeia" !

Em Portugal quem não tem carro é visto como pobre e quem tem um carro fraquinho é um coitadinho. Somos um povo de mto status. É vê-los na suiça, austria, bélgica, holanda, etc ... bem mais ricos q nós e a andarem de bicicleta, metro, eléctrico sem vergonha nenhuma.


Evoluam, pff.

tugman disse...

mais uma coisa; eu conheço bem aquela zona e se morasse lá (não moro mto longe) iria gostar que os meus filhos pudessem ir de bicicleta para a escola, por exemplo.

Na tal brandoa (a que não é dos doutores) existe uma ciclovia e é vê-los a ir para a escola de bicicleta, já sao muitos e cada vez mais.

me. disse...

tugman,
bem vindo por aqui!
Tudo isso é verdade, mas nós temos uma cidade de 7 colinas, não muito dada a bicicletas. Eu não tenho nada contra elas, acho é que as coisas têm de ser bem feitas e se existirem, existam bem feitas promovam a mudança das nossas mentalidades e não nascerem em detrimento do que já é mau.

Mas economicamente, a nossa sociedade foi de desenvolvida de forma a usar o universo do petróleo e logo o dos carros!
E para isso basta pensar na quantidade de vias que se construíram...por isso uma contradição, também, usem e gastem e agora deixem em casa os pópós!

Eu não consigo levar os meus filhos à escola de bicicleta, quando eu era pequena também ia a pé, mas era logo ali ao descer da rua!

Tempos diferentes e vidas diferentes! só isso , não sou contra nada, só o mal planeamento.

tugman disse...

Quanto às colinas, e falando especificamente das colinas "ninguém" anda por lá no dia-a-dia. Falando das subidas em geral, muitas não são tão más quanto se pensa (falo por experiência própria, o que normalmente não acontece quando alguém fala desse assunto), as nossas bicicletas têm mudanças, nas cidades planas não têm. A cidade é muito plana desde a alta de lisboa até ao marquês ( e para os lados também) o que abrange uma zona muito considerável mesmo. Telheiras é muito plano e ainda há muita gente que viva e estude lá.

Claro que é complicado fazer distâncias mto grandes por causa de algumas subidas, mas a maior parte dos bairros são planos (benfica é muito, telheiras tb, campo grande, alvalade, etc ..) e os mais novos muitas vezes conseguem fazer a deslocação diária dentro do bairro (casa-escola-casa). Esta mudança, tal como é normal nas mudanças, tem que começar pelos mais novos. Daqui a uns anos já é normal.

Eu também não consigo levar o meu filho à escola de bicicleta, mas se ele estudar perto, daqui a uns anos há-de ir sozinho e gostava que tivesse essas condições.

Quanto a fazer as coisas bem, tens razão. Cá começa-se a casa pelo telhado. Mas se agora estivermos à espera que as pessoas mudem de hábitos, nunca nada vai mudar. Há coisas que têm que ser impostas. Isso tb me afecta, mas acho que tem que ser um bocado assim.

cumprimentos.

me. disse...

E eu que morava na Penha de França á Graça ir a qualquer lado implicava na volta uma grande subida! Tipo volta a Portugal, só um exemplo, mas andava de bicicleta por lá mas não descia muito ;)

E quanto aos bons hábitos, claro implementem-se, de pequenino é que se começa, concordo.

Pois se calhar por cá é mesmo assim começar pelo telhado! Infelizmente.

Bons passeios então, tugman!

Inês Ramalhete disse...

Sou moradora em Telheiras, exactamente na rua Fernando Namora, e sou finalista do curso de Arquitectura.

Relativamente a esta questão, acho incrível a Câmara tomar este tipo de decisões sem consultar os moradores e sem fazer um estudo da zona e da vivência do próprio espaço por parte dos moradores. Segunda questão importante é que a maioria dos moradores, os "doutores", não trabalham ali, tendo de ir de carro ou de metro - não me venham dizer que vão obrigar pessoas a ir de bicicleta até ao Marquês ou até ao Parque das Nações...

Tenho um familiar que vai de carro até ao metro para então chegar ao Marquês. O problema é que agora, com este erro urbano tremendo, demora quarenta minutos a chegar ao metro das Laranjeiras ou de Telheiras.

A zona não é adequada para este tipo de intervenção, estes "doutores" não vão de bicicleta para o emprego e ao fim de semana raramente andam, pois querem descansar ou vão para as suas casas de férias passear de bicicleta. O único escalão que poderá usufruir da ciclovia são os estudantes, mas estes não são uma população significativa para tal intervenção.

Estou indignada, especialmente com a falta de principio democráticos, com senhores como o Fernando Rosas que querem comparar Lisboa com a Holanda - totalmente planeada pelo Homem, sem obsctáculos morfologicos e organizada de modo racional - ou com a Finlândia, países onde já tive o prazer de estar.

Enfim, querem tirar bons exemplos destas sociedades mas não sabem interpretá-los nem adaptálos.

Inês Ramalhete disse...

Queria só corrigir uma informação referente ao meu comentário: o responsável pelo plano não foi Fernando Rosas, mas sim Sá Fernandes.

Peço desculpa pelo meu erro

me. disse...

Inês,
obrigada pelo comentário vai de encontro ao que digo.

Os doutores são brincadeira...A verdade é que está um inferno chegar a telheiras e eu continuo a lá ir e muito!